Dólar com. 5,218
IBovespa 2,00
14 de agosto de 2020
min. 21º máx. 29º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel ANS obriga planos de saúde a incluírem teste sorológico da covid-19
08/07/2020 às 11h30

Geral

Papa denuncia 'o inferno' por que passam os migrantes na Líbia

O papa Francisco denunciou hoje "o inferno" por que passam os migrantes que vivem na Líbia antes de zarparem para as costas europeias

Durante uma missa para assinalar o sétimo aniversário da sua viagem à ilha italiana de Lampedusa (sul), local de chegada à Europa de muitos migrantes, o papa disse: "Não imaginam o inferno que se vive lá, nesses campos de detenção. Essas pessoas só vinham com uma esperança, atravessar o mar".

Francisco celebrou a missa para recordar a sua primeira viagem como papa em julho de 2013 à ilha de Lampedusa, símbolo da crise migratória por estar localizada a meio da perigosa rota do Mediterrâneo central, tantas vezes palco de naufrágios.

Durante aquela visita, o papa escutou os testemunhos de alguns migrantes e recordou o caso de alguém que esteve longo tempo a contar a sua história e que o tradutor resumiu. Depois uma mulher que conhecia a língua africana do homem disse a Francisco que o tradutor não lhe transmitiu "nem a quarta parte das torturas e sofrimentos" que o migrante confessou.

"Deram-me a versão destilada. Isto acontece atualmente com a Líbia, dão-nos uma versão destilada da guerra", sustentou, convidando os fiéis a pensarem na situação dos migrantes no país do Norte de África.

O papa disse pensar "na Líbia, nos campos de detenção, nos abusos e violências sofridos pelos migrantes, nas viagens de esperança, nos resgates e nas rejeições" e criticou "a globalização da indiferença".

"A cultura do bem-estar leva-nos a pensar em nós mesmos, torna-nos insensíveis ao grito dos outros, faz-nos viver em bolhas de sabão, que são bonitas, mas não são nada, são a ilusão do fútil, do provisório, que leva à indiferença em relação aos outros", lamentou.

Francisco insistiu que "o encontro com o outro", por exemplo com quem foge da guerra e da miséria, "é também um encontro com Cristo".

Nos primeiros seis meses deste ano, as tentativas de atravessar a rota migratória do Mediterrâneo Central (que sai da Argélia, Tunísia e Líbia em direção à Itália e a Malta), a mais perigosa segundo a ONU, aumentaram em 150% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Os Estados-membros da União Europeia (UE) e cinco países do sul do Mediterrâneo vão debater possíveis soluções para a imigração procedente do norte de África numa videoconferência agendada para 13 de julho. 


Fonte: Notícias ao Minuto

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]