Dólar com. 3,791
IBovespa 0.84
18 de março de 2019
min. 27º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Polícia identifica turco de 37 anos como suspeito de ataque na Holanda
11/01/2019 às 21h50

Geral

Sesau alerta sobre a importância de cuidar da saúde mental

Janeiro Branco foca na reflexão acerca de condições existenciais Foto: Carla Cleto

Para lembrar a população de cuidar não só da saúde física, mas, também, da mental, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) alerta sobre a importância de fortalecer o conceito do autoconhecimento e da atenção às emoções, conforme prevê a Campanha Janeiro Branco, uma vez que, durante este mês, as pessoas estão mais focadas em resoluções e metas para o ano novo.

Isso porque, historicamente o primeiro mês do ano é carregado de simbolismos e características culturais que proporcionam uma maior reflexão acerca de condições existenciais, novos projetos e disposições para a vida, instigando as pessoas ao maior cuidado com o seu bem-estar psíquico. Por esta razão, a psicóloga da Sesau, Laeuza Farias, explica que a proposta do Janeiro Branco é construir uma cultura de saúde mental e desmitificar também a visão de que “alguém só vai à consulta com o psicólogo ou psiquiatra se estiver maluco”.

Segundo ela, qualquer pessoa pode precisar do apoio, do auxílio e do acolhimento de um desses profissionais em um determinado momento da vida. “O preconceito ainda existe? Sim. Mas, hoje em dia, apesar de haver a discriminação, existe a coragem de muitas pessoas buscarem um profissional para se cuidarem. Isso já é um sinal positivo da evolução do conceito de saúde mental”, destacou.

“Precisamos dizer que saúde mental é um assunto de todos nós e que merecemos nos cuidar tanto no aspecto físico como no emocional. Porque sabemos que a emoção adoece o físico. Muitas das doenças que estão sendo geradas são causadas por situações no âmbito emocional. É um sofrimento contínuo que, se não for bem tratado, vai cronificando conforme o tempo vai passando. A pessoa entra num ciclo vicioso e, por sua vez, não consegue rompê-lo. Resultado: o corpo fala e se expressa através de sintomas”, informou Laeuza Farias.

Ainda de acordo com a psicóloga da Sesau, o uso das redes sociais, a exemplo do Instagram, tem potencializado as taxas de depressão e ansiedade na população, visto que, a busca doentia por “likes” e comentários, tem transformado as pessoas em reféns de suas próprias mentiras.

“Há pessoas tão preocupadas em se mostrar bem e agradar, que acabam perdendo o foco de si mesmas. São tantas que vivem iludidas por espelhos de pequenas ilusões, perdendo a noção da realidade, que já não conseguem viver sendo verdadeiros, leais, honestos consigo mesmo e com os outros. E existe uma cobrança coletiva por baixo disso. Somos cobrados pelo sucesso alheio e incentivados a sermos iguais. Mal sabemos que, em algumas situações, por detrás de uma foto postada, quase sempre há máscaras. Quase sempre há pessoas com a alma ferida, tentando se mostrar fortalecidas”, esclareceu.

E, apesar de ter avançado largamente nos últimos anos, com maior difusão do assunto e melhoria das formas de acesso a tratamentos, a cultura da saúde mental ainda é bastante subdesenvolvida, em vista dos altos índices de depressão, suicídio, transtornos causados por estresse, traumas e ansiedade, entre outros fatores. Para a especialista da Sesau, a falta de esclarecimento e, muitas vezes, falta de humanidade para respeitar e reconhecer a dor do outro, é um dos caminhos que precisam ser percorridos para que sejam derrubados os tabus e os preconceitos.

“O preconceito e a banalização com que o tema tem sido tratado, nos faz perder vidas. É preciso que a sociedade compreenda esse assunto, pois estamos pagando um preço muito alto por esse desamparo. Além disso, é necessário desenvolver, aprofundar e disseminar a psicoeducação em todos os âmbitos da sociedade”, orientou a psicóloga da Sesau.

Conforme Laeuza Farias, não é preciso esperar a doença se instalar para buscar um profissional. O ideal é identificar, antecipadamente, uma situação de risco e procure ajuda. “O sinal amarelo é quando o transtorno mental começa a afetar a vida social. A psicoterapia contribui não só com a prevenção e a cura de agravos de saúde, como também traz mais qualidade de vida para as pessoas que realizam o tratamento”, salientou, ao informar que o Janeiro Branco foi idealizado em 2014, pelo psicólogo brasileiro Leonardo Abrahão, em Uberlândia (MG).

Caps – Ainda de acordo com a psicóloga da Sesau, em Alagoas há uma Rede de Saúde Mental que pode atender pessoas que necessitem de atenção psicossocial. Para isso, basta se dirigir a um dos 58 Centros de Atenção Psicossocial (Caps), onde o usuário tem o apoio de uma equipe multidisciplinar, formada por psicólogos, psiquiatras, terapeutas ocupacionais, educadores físicos, assistentes sociais e enfermeiros. Em Maceió, a população dispõe de cinco Caps, localizados nos bairros Jacintinho, Farol, Jatiúca, Chã de Bebedouro e Serraria.


Fonte: Assessoria

Todos os direitos reservados
- 2009-2019 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]