Dólar com. R$ 4,132
IBovespa +1,58%
17 de dezembro de 2018
min. 23º máx. 30º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Defesa deve pedir hoje prisão domiciliar para João de Deus
15/11/2018 às 12h20

Geral

Prefeito agradece decisão judicial que garante água da Casal na cidade

Haroldo Nascimento cita esforço de sua gestão para regularizar abastecimento em Paripueira

Divulgação

O prefeito de Paripueira, Haroldo Nascimento, destacou, nesta quinta-feira, como positiva a determinação da Justiça para que a Casal regularize imediatamente o abastecimento de água no município. Segundo Haroldo, ele esteve várias vezes na Companhia de Água e Saneamento do Estado solicitando e cobrando providências. “Já estávamos nos organizando em comitiva com a Câmara de Vereadores para irmos ao governador”, enfatizou.

“A falta de água compromete a sobrevivência nas casas e no comércio e a eficiência nos serviços públicos, em especial na saúde”, disse ainda o prefeito, afirmando que a ação do Ministério Público, através da Promotoria de Justiça local, foi essencial para dar uma solução ao problema. “O Poder Judiciário acatou a intervenção do MP, com quem também falamos acerca do problema, e acredito que agora a situação se normalize”, salientou Haroldo.

ALTA ESTAÇÃO

Paripueira é uma cidade turística e para manter o funcionamento de bares, restaurantes e pousadas, os donos desse tipo de estabelecimento investem na compra da água, encarecendo o valor final dos custos, afirma ainda o prefeito. “Os eventos que o município promove para atrair visitantes também são comprometidos com a falta de água”, reforçou Haroldo Nascimento, acreditando que a Casal agra cumprirá sua função, e afirmou: “Estamos gratos ao MP e ao Poder Judiciário”.

A determinação é do juiz Yuli Roter Maia, que deu à Casal dez dias para regulamentação do fornecimento diário e contínuo do abastecimento de água em Paripueira, sob pena de multa diária no valor de R$ 5 mil caso a medida não seja cumprida. “Para evitar maiores prejuízos ainda determino o abastecimento, com caminhões-pipa, tantos quanto sejam necessários, a iniciar no prazo de 24 horas, a fim de suprir a necessidade dos moradores da região, de forma eficiente, até que o problema seja sanado definitivamente”, sentencia ainda o magistrado.


Fonte: Assessoria

Todos os direitos reservados
- 2009-2018 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]