Dólar com. 5,218
IBovespa 2,00
14 de agosto de 2020
min. 21º máx. 29º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel ANS obriga planos de saúde a incluírem teste sorológico da covid-19
12/07/2020 às 16h00

Blogs

O ódio espuma


O ódio espuma, como o disse, precisamente, Zuenir Ventura. A ira espuma. A cólera também. O ódio salta pelos poros, pela boca, pelos olhos, pelo corpo inteiro. Talvez seja, das emoções humanas e dos pecados capitais, o mais transparente. Ninguém esconde o ódio. Ele pode ficar quieto, recolhido, mas em um momento, sem aviso, ele toma todo o ser e explode, causando sérios problemas.

O ódio é alimentado por pensamentos, obsessões e é o maior responsável pelos conflitos humanos. O ódio espuma e se transforma em gigantescas ondas de ações nefastas que prejudica ao outro e ao ser que odeia. O ódio impede de ouvir, de ponderar, de deixar ir. O ódio agarra-se ao ser com uma força indomável e não existe contenções para o que sai com uma força avassaladora.

O ódio corrói, mata aos aos poucos, impede de viver e renega a paz. Não existe antídoto contra o ódio. Certamente o ódio espuma. Faz matar um filho, a amante que trai, o desafeto que ameaçou, o irmão que enganou...o ódio espuma e cospe em cima de ideologias, da moral e da ética. O ódio não tem censura nem ponderação e retira de si toda sensatez, bondade e compreensão humana.

O ódio espuma e planeja, é a sua fase de aparente calmaria. Ele passa anos alimentando vingança, detalhando e apreciando os momentos futuros de bem estar quando enfim a realizar. Ledo engano. A vingança não acalma, não dá o bálsamo necessário para o ódio se curar. Nada é o bastante, nada vai pagar a ofensa ou a traição, ela vai continuar existindo e jamais morrerá porque foi fato concreta. Quem morre, quem se destrói é aquele que o sente. É ele quem adoece, que não tem paz, que penetrou irremediavelmente na mais doentia emoção humana.

O ódio precisa de ajuda, precisa de terapia, precisa de reflexões, precisa de significados e restauração do equilíbrio. Emoções extremas precisam ser ressignificadas para não destruírem a plenitude da vida. Precisam ser domadas e suavizadas com a conscientização de que nada, nada mesmo, pode roubar o privilégio da paz.


Psicóloga Meg Oliveira por Meg Oliveira

Psicóloga Clínica, pós-graduada em Gestalt Terapia. Formação em Vegetoterapia, Psicoterapia Breve e Massoterapia. Atuando há 28 anos como Psicóloga Clínica. Procuradora aposentada do Poder Judiciário.

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]