Dólar com. 5,324
IBovespa 0,88
15 de julho de 2020
min. 23º máx. 27º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Samu Alagoas registra mais de 48 mil ocorrências no primeiro semestre de 2020
20/06/2020 às 11h13

Blogs

Qualis artifex pereo!

Reprodução/Tijolaço


Não tenho o poder político, nem econômico, mas tenho a palavra. E essa está a serviço de meus leitores e minhas convicções. (PO)


Cruel, insano, depravado? É pouco. Nero era um monstro. Foi para a cama com a mãe e mandou matá-la. Envenenou o meio-irmão, degolou a primeira esposa e chutou a segunda, grávida, até ela morrer.

O imperador romano também castrou um liberto, vestiu-o de mulher e se casou com ele numa festa de arromba. Mas o problema mesmo era que adorava cantar e atuar em público, algo imperdoável para quem tinha o título de princeps (o Primeiro no Senado). Com poucos anos de anos de governo (entre 54 e 68), Nero perdeu o apoio do Senado, dos magistrados, da terceira mulher e até de seu preceptor, o filósofo Sêneca. Aos 30 anos, ante um golpe de estado iminente, deu cabo da própria vida com uma punhalada no pescoço. Suas últimas palavras: Qualis artifex pereo! (Que artista morre comigo!).

Ele foi capaz de crueldades inimagináveis e provavelmente eliminou boa parte de sua família - o que, aliás, era uma praxe na dinastia júlio-claudiana. Mas não era o louco que nos pintaram, e sim um imperador que teatralizou a própria vida para atrair atenção do público. Tanto que, após seu suicídio, surgiram rumores de que não havia morrido - tal como um Elvis Presley dos tempos antigos.

Ele se julgava um continuador da glória dos gregos e usava Roma e seu império como um grande palco para suas exibições. Claro, ele foi, sim, um tirano - possivelmente o mais cruel de sua dinastia. Mas sua necessidade de interagir com o povo o transformou em um tirano rockstar, alguém de quem a população gostava de ter notícia, de saber o que andava fazendo.

Conhecido como imperador tirano e autoritário, Nero ascendeu ao poder em Roma e, desde então, conviveu com as várias artimanhas e conspirações que rondavam seu alto posto.

Sobre o terrível incêndio de Roma muitos diziam que teria sido mais um dos frutos da mente perturbada e manipuladora de Nero. Para alguns, ele havia ordenado secretamente o incêndio criminoso para somente embelezar algumas partes da cidade de Roma que não o agradavam. Para outros, a mesma ação desastrosa seria executada com o objetivo de incriminar os cristãos, que não se submetiam ao reconhecimento o imperador como uma figural passível de devoção religiosa. Essa história nos é contada pelos historiadores Suetônio Tácito e Cassio Dio.

Bolsonaro tem algo de Nero

Longe de mim comparar a crueldade do imperador e os extremos de sua insanidade com o presidente Bolsonaro, mas em analise de suas histórias há sim coisas em comuns, a exemplo da sua necessidade de se mostrar ao povo como um popstar da moralidade e senhor da razão. Exercita um desgoverno cheio de conspirações, criadas por ele e seus fanáticos aliados, conturbando o país e promovendo uma guerra ideológica e ameaçadora entre brasileiros, com inconsequentes previsões. Mostrou-se um despreparado para o cargo que ocupa legitimamente, mas que o tornou um arremedo de líder ridículo e teatral.

Por incompetência absoluta perdeu a articulação política e hoje enfrenta divergências perigosas com a Câmara e o Senado, repetindo a história de antecessores que perderam o cargo por esse mesmo motivo. Não precisava “se vender ao diabo”, mas confronta-lo é arriscado e fatal. Não bastassem todas essas trapalhadas abre uma frente de batalha contra o Judiciário, por decisões que contrariam seu governo e sua família, todos acusados de cometer ilícitos e investigados por desvios de conduta ou crime de responsabilidade. Conseguiu extinguir, por seus arroubos delirantes, a harmonia entre os poderes da República, estabelecida pela Constituição.

A imprensa odiada

O presidente Jair Bolsonaro e seus fanáticos seguidores, pela intolerância ao contraditório e a desprezível condição de confrontar a verdade, criaram um sistema odioso contra a imprensa brasileira, com críticas generalizadas aos órgãos de comunicação, ameaças e até agressões físicas a jornalistas. Tal qual um ditadorzinho de província o “chefete” quer a todo custo calar aqueles que apontam e criticam seu tresloucado desgoverno e os absurdos de sua gestão descompassada.

O Brasil é considerado mundialmente como um dos países mais perigosos para o exercício do jornalismo, segundo dados da Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública e da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ).

Preso o amigo Queiroz

Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro e amigo do presidente Jair Bolsonaro, foi preso nessa quinta-feira em Atibaia, no interior de São Paulo, em uma operação conjunta da Polícia Civil e do Ministério Público de São Paulo. Queiroz estava em um imóvel do advogado Frederick Wassef, responsável pelas defesas de Flávio e do presidente Bolsonaro (tudo em casa). É figura constante no Palácio da Alvorada e em eventos no Palácio do Planalto

Queiroz é investigado por participação em suposto esquema de "rachadinha" na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro. "Rachadinha" é quando funcionários são coagidos a devolver parte de seus salários. O filho de Bolsonaro foi deputado estadual de fevereiro de 2003 a janeiro de 2019.

O Palácio do Planalto deve estar apavorado com o que pode acontecer no desdobramento dessa prisão.

Quem alimenta tem fome

Bares e Restaurantes do estado fechados há cerca de 90 dias ou funcionando apenas com serviços entrega ou pegue e leve, a perspectiva de retomada dos negócios para o setor ainda é incerta.

A assessoria de Comunicação da Abrasel/AL noticiou que o segmento está com apenas 20% dos estabelecimentos faturando e que mais de 60% estão com portas fechadas e sem trabalhar com delivery ou pegue e leve.

Lamentando mais de 30% de demissões já ocorridas no segmento, a perspectiva é de que nos próximos dias esse número chegue a 50%, destacou a assessoria, além de reforçar que é previsto também, o fechamento de 50% dos estabelecimentos de bares e restaurantes nos próximos 3 meses.

O que nos diferencia dos outros setores? Quem alimenta também tem fome. Nossas portas vão fechar definitivamente. Dizem as lideranças da instituição.

Abraham Weintraub, menos um louco no governo. Agora é aguardar o próximo indicado do Manicômio.

Ronaldo Lessa, Alfredo Gaspar e João Henrique Caldas (JHC). Os candidatos a prefeito de Maceió. O resto será figuração.

Câmara de Vereadores de Palmeira dos Índios é um exemplo vergonhoso de compadrio e “negócios”.

Eleições adiadas, mas o jogo sujo começa agora. Voto + dinheiro desonesto = mandato comprado. 


Pedro Oliveira por Pedro Oliveira

Jornalista e escritor. Articulista político dos jornais " Extra" e " Tribuna do Sertão". Pós graduado em Ciências Políticas pela UnB. É presidente do Instituto Cidadão,  membro da União Brasileira de Escritores e da Academia Palmeirense de Letras.

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]