Dólar com. 3,791
IBovespa 0.84
18 de março de 2019
min. 27º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Polícia identifica turco de 37 anos como suspeito de ataque na Holanda
24/11/2018 às 11h01

Blogs

Renan não!


Para refletir:

Como nenhum político acredita no que diz, fica sempre surpreso ao ver que os outros acreditam nele. (Charles De Gaulle)


Renan não!

(BRASÍLIA) - No ambiente bolsonarista em Brasília há uma evidente rejeição ao nome de Renan Calheiros para voltar à presidência do Senado Federal a começar pelo próprio presidente eleito e seus filhos que não escondem suas reações, em alguns momentos até com adjetivos nada lisonjeiros ao senador alagoano.

Para o grupo de transição, capitaneado pelo futuro ministro da Casa Civil, Onix Lorenzoni, a figura de Renan Calheiros representa tudo o que o futuro presidente tem combatido desde a campanha que o elegeu: o passado de suspeitas de corrupção que prometeu extirpar, o político carimbado com a marca negativa e práticas nada republicanas.

Segundo um importante integrante da equipe de transição, com o qual conversei “seria muito ruim para o país e as relações institucionais a presença de Renan Calheiros em uma das pontas de um importante e decisivo poder. Muito negativo”. 

Segundo me informou a mesma fonte outra forte reação ao nome de Calheiros são os militares que compõem a equipe de transição. “Todos os generais que se pronunciaram até o momento abominam a candidatura e alertam para o ambiente de negatividade que se abateria para o governo Bolsonaro, mesmo que não seja diretamente responsável pela infeliz escolha”, adiantou.

No Senado pelo que pude observar há uma reação majoritária parecida com a existente no ambiente bolsonarista. Embora um grupo de senadores, principalmente do MDB, insista na candidatura de Renan, apenas buscando a continuidade de práticas viciadas e apodrecidas que os beneficiam, outra banda, principalmente os novos senadores eleitos abomina a ideia e não faz segredo. Pelo menos até agora o lado contrário à candidatura emedebista é majoritário aparentemente.

Alguns parlamentares contrários à candidatura de Renan Calheiros fazem campanha aberta pelos corredores da Casa em busca de convencer os colegas do quanto seria negativo para a imagem do Senado a escolha de um nome tão marcado pelo que há de mais negativo na política brasileira. Esse grupo quer propor que a eleição para escolha do próximo presidente seja feita por votação aberta e não secreta. “Pois assim sendo qual senador não teria vergonha de votar em Renan, afrontando seus os eleitores de seus estados”?

O senador Lasier Martins (PSD-RS) é o autor da proposta para o voto aberto contra Renan. “Temos que atender o grito das urnas que pediu renovação”, disse à imprensa.

Lasier apresenta como precedente o caso da prisão do então senador Delcídio do Amaral, que se deu com o voto aberto. “Se ali foi possível, por que não para eleição do presidente da Casa? O regimento fala em voto secreto, mas a Constituição, não”, argumenta Lasier, que pretende ir até ao STF, se preciso for, para tentar garantir o voto aberto para eleição do presidente do Senado, em 2019.


Saudades dos pardais

Depois da constatação do aumento de números de acidentes de trânsito nas principais vias da capital a população começa a se incomodar e cobrar a volta dos pardais eletrônicos como único meio capaz de diminuir essa estatística. Os dispositivos eletrônicos de controle de velocidade foram suspensos por uma equivocada e danosa decisão do Judiciário, que relegou o interesse público e deu amparo aos que se sentiram incomodados pela preservação da segurança e das vidas de pessoas, inclusive o Ministério Público que acha que tudo pode. Vamos aguardar até que mais vidas sejam ceifadas para que promotores e juízes entendam suas reais funções na sociedade.


O Piauí avança

Enquanto estados do Nordeste, inclusive Alagoas, a cada ano vão perdendo ponto em índices positivos de desenvolvimento, com politicas públicas equivocadas e administrações incompetentes e algumas vezes desonestas o Piauí vem se destacando nos últimos anos na atração de empreendimentos voltados à geração de energia renovável, a exemplo das eólicas. Agora, o estado dá mais um importante passo nesse sentido, com a instalação do Parque Solar Nova Olinda, da Enel Green Power Brasil. A usina está localizada no município de Ribeira do Piauí, a 377 quilômetros de Teresina, na microrregião do Alto Médio Canindé.

No último mês a Secretaria Estadual de Meio Ambiente do Piauí (SEMAR) fez a entrega das Licenças Ambientais de Operação para a usina fotovoltaica e da linha de transmissão de 500 KV da Nova Olinda – São João do Piauí/Ribeira do Piauí, para Alexandre Bittar, especialista ambiental da empresa.

“Entendemos que um empreendimento deste porte é de suma importância para alavancar o nosso desenvolvimento, além de nos colocar em posição de destaque entre os estados geradores de energia renovável. Este é o maior empreendimento de energia fotovoltaica da América latina”, afirma o representante do governo do Piauí.


Nem foi lembrado

No encontro com o presidente eleito, Jair Bolsonaro, o rancor da derrota levou alguns governadores a não comparecer, numa prova evidente de falta de civilidade e espírito republicano. Não perceberam que a eleição acabou ou não se conformam com o anunciado fim da corrupção e da perseguição implacável aos que sugam imoralmente o dinheiro do povo. Alguns deles sabem que poderão terminar na cadeia com uma devassa investigativa em suas administrações. O governador de Pernambuco, Paulo Henrique Saraiva Câmara, liderou o movimento rebelde dos governadores do Nordeste, região na qual a política é sustentada ainda explorando a miséria do povo, a compra imoral de votos pelo dinheiro e pelo poder e agora também por recursos da “Bolsa Esmola”, que vicia , desemprega e tira a cidadania dos miseráveis.

Em tempo: perguntei a um dos organizadores do evento e integrante da equipe de transição do novo governo sobre a ausência ao encontro do governador de Alagoas, Renan Filho e ele me respondeu com ironia: “Nem foi notada, esse cara não é do bem, como o pai. Figura pequena e vai diminuir. Não existe. Repercussão zero para sua ausência insignificante”.


Reinventando a política

Para o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, o sistema político e partidário do Brasil “virou água” e precisa ser reinventado urgentemente para que o país possa retomar o caminho do desenvolvimento. Desfiliado do MDB desde o último dia 7, Hartung entende que os partidos de centro, como o próprio MDB e o PSDB, perderam relevância e, para não sumirem, têm de refletir e fazer autocrítica para compreender por que foram rejeitados nas urnas em 2018.

O centro foi o campo político mais afetado nas eleições do Congresso este ano. Dono da maior bancada em várias legislaturas, o MDB elegeu 34 deputados e terá a quarta maior representação na Casa (atrás de PT, PSL e PP). Já o PSDB, com 29 deputados, será apenas a nona em tamanho. Em compensação, a direita cresceu e vai ocupar mais da metade das cadeiras na Câmara.

Em busca de respostas para a perda de espaço, Hartung tem se reunido com outras lideranças, como o senador Tasso Jereissati (CE), ex-presidente do PSDB. O objetivo deles, segundo o ex-emedebista, não é criar um novo partido, ao contrário do que foi noticiado, mas procurar alternativas para a criação de novas lideranças políticas no país.


Pedro Oliveira por Pedro Oliveira

Jornalista e escritor. Articulista político dos jornais " Extra" e " Tribuna do Sertão". Pós graduado em Ciências Políticas pela UnB. É presidente do Instituto Cidadão,  membro da União Brasileira de Escritores e da Academia Palmeirense de Letras.

Todos os direitos reservados
- 2009-2019 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
c[email protected]