Dólar com. 5,131
IBovespa 0,89
05 de junho de 2020
min. 24º máx. 28º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel MP recomenda reelaboração de calendário para que ano letivo em Alagoas não seja prejudicado
13/05/2020 às 10h44

Blogs

Em depoimentos, generais do Planalto "fecham" com Bolsonaro


Os 3 ministros generais do Planalto prestaram depoimentos coincidentes a respeito do que se passou na reunião de 22 de abril de 2020 com o presidente da República. Não apontaram desejo de Jair Bolsonaro em influir na Polícia Federal para barrar investigações a respeito de seus familiares.

Braga Netto (Casa Civil), Augusto Heleno (Segurança Institucional) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) estão, como se diz, “fechados com Bolsonaro”.

AUGUSTO HELENO

Em depoimento prestado nesta 3ª feira (12.mai.2020) no inquérito que apura suposta tentativa de interferência de Jair Bolsonaro na PF (Polícia Federal), o ministro Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) disse que o chefe do Palácio do Planalto teria lhe dito que precisava de alguém “mais ativo” no comando da corporação.

“Mais ativo no sentido de maior produtividade, o que não envolveria maior produção de relatórios de inteligência ainda que isso possa estar incluído no conceito de produtividade”, explicou Heleno.

A gravação em vídeo da reunião tem cerca de duas horas de duração. O material foi mostrado nesta manhã em Brasília para a defesa de Moro, a AGU (Advocacia Geral da União), a PGR (Procuradoria Geral da República) e agentes da PF.

Em relação à indicação de Alexandre Ramagem para a Direção Geral da PF, Heleno afirmou que a atuação “excepcional” dele no comando da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) foi o fator central para a nomeação. O chefe do GSI disse que soube pela imprensa da relação de Ramagem com os filhos do presidente, mas que a proximidade seria “natural” já que Ramagem fez a segurança do presidente à época da campanha eleitoral de 2018.

O general disse no depoimento não ter conhecimento a respeito de troca de comando da superintendência regional no Rio de Janeiro. Declarou que sabia, apenas, que “o presidente cobrava maior desempenho da Polícia Federal do Rio de Janeiro no combate à corrupção, inclusive envolvendo hospitais federais”.

Sobre o encontro ministerial de 22 de abril, Heleno afirmou: “o presidente, na reunião do dia 22 de abril, menciona o exemplo de sua segurança pessoal, que se estivesse falha, tentaria trocá-la; e que se não conseguisse, trocaria o chefe, podendo chegar ao diretor e até o ministro”.

BRAGA NETTO

O ministro Braga Netto (Casa Civil) também prestou esclarecimentos à PF nesta 3ª feira (12.mai). Segundo ele, na reunião de cúpula ministerial Bolsonaro não tratou de troca no comando da Superintendência no Rio.

A fala corrobora o que próprio presidente da República havia dito mais cedo, no Palácio da Alvorada. Bolsonaro argumentou que sua preocupação era com a segurança da família, e não com investigações.

Braga Netto destacou na oitiva que Bolsonaro não estaria insatisfeito com Maurício Valeixo no comando da PF. Afirmou não saber o motivo pela qual o presidente quis Alexandre Ramagem no comando do órgão.

O ministro-chefe da Casa Civil também destacou que Moro afirmou que Bolsonaro continuava com a pretensão de trocar o diretor-geral da PF, ideia que não o agradava. Braga Netto disse, então, que tentou acalmar os ânimos de Moro depois que ele ameaçou pedir demissão do cargo.

O general também disse que Bolsonaro reclamava da falta de explicações sobre o caso do porteiro em seu condomínio no Rio de Janeiro, que havia identificado a sua voz. Na ocasião, o porteiro envolveu o nome do presidente no inquérito que apura a morte da vereadora Marielle Franco (Psol) e do motorista Anderson Cruz. Depois, recuou.

LUIZ EDUARDO RAMOS

O chefe da Secretaria de Governo afirmou que a intenção do presidente Jair Bolsonaro em trocar o comando da Polícia Federal era para ter “sangue novo” na corporação e que ele acreditava que esta troca poderia “mudar o ritmo de trabalho da PF”.

Ramos também declarou que o presidente não teria dito na reunião que trocaria o diretor-geral da Polícia Federal ou o superintendente da PF no Rio para proteger seus familiares.

O general também relatou que tentou mediar uma solução para evitar que Moro pedisse demissão do cargo. De acordo com ele,  o ex-ministro da Justiça teria apresentado o então diretor-executivo da PF, Disney Rosseti, como único nome aceitável por ele em uma troca de comando da PF.


*Com informações do Poder 360


Painel Político por Redação

Notas e notícias sobre política e bastidores do poder

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]