Dólar com. 5,131
IBovespa 0,89
05 de junho de 2020
min. 24º máx. 28º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel MP recomenda reelaboração de calendário para que ano letivo em Alagoas não seja prejudicado
07/05/2020 às 13h39

Blogs

AGU não quer entregar vídeo ao STF


Recorrendo

A Advocacia-Geral da União recorreu ao ministro Celso de Mello. Não quer lhe entregar o vídeo que capturou a reunião, em 22 de abril, na qual o presidente Jair Bolsonaro pressionou o então ministro Sérgio Moro a respeito da superintendência da Polícia Federal no Rio. O decano da Corte havia dado 72 horas para que o Planalto enviasse este registro. Se houve interferência pessoal de Bolsonaro, é o vídeo que pode revelar. Mello pediu explicitamente que o conteúdo seja entregue na íntegra. A AGU argumenta que há, na conversa, assuntos potencialmente sensíveis e reservados de Estado. No Palácio, há uma briga de versões a respeito de quem fez a filmagem, sobre quem tem o arquivo ou mesmo se toda a reunião foi capturada. Na semana passada, Bolsonaro chegou a dizer que divulgaria o vídeo. Foi rapidamente desaconselhado por auxiliares.

Segunda instância

Não é a única dificuldade jurídica do governo. O desembargador André Nabarrete, do TRF-3, determinou que o presidente deve entregar ao jornal O Estado de S. Paulo os resultados de seu exame para o novo coronavírus. “A urgência da tutela é inegável, porque o processo pandêmico se desenrola diariamente, com o aumento de mortos e infectados”, explicou Nabarrete. “O conhecimento da saúde do Sr. Presidente é fundamental, à vista de suas funções, que demandam que circule, se locomova e tenha contato com cidadãos, num panorama de pandemia.” Já é a segunda instância.

PF

Foi bem recebido, na PF, o nome de Tácio Muzzi, que comandará a superintendência do Rio. Ele era o número dois de Ricardo Saadi, que Bolsonaro havia mandado substituir. Não estava na lista dos favoritos do Planalto e o recuo tático acalmou os delegados, por ora. Há pelo menos quatro investigações em curso que envolvem os filhos do presidente ou Fabrício Queiroz.

Com a "mão na massa"

Foi nomeado o novo diretor-geral do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas, Dnocs. É Fernando de Araújo Leão, indicado pelo Centrão, e controlará um orçamento de R$ 1 bilhão.

Base de apoio

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, foi perguntado a respeito da aproximação de Bolsonaro do bloco fisiológico. “Quem tem a responsabilidade de garantir votos para o governo são os líderes do governo, os partidos que fazem parte da base”, ele disse. “Acho que o governo ter uma base facilita meu trabalho. Muitas vezes fui obrigado a cumprir papel de articulador das maiorias.” O Centrão espera que mais nomes saiam nos próximos dias.

Palavras "tranquilizadoras"

Os generais palacianos Luiz Eduardo Ramos e Braga Netto estiveram ontem com Maia. Queriam botar panos quentes na relação conturbada mas, principalmente, queriam a garantia de que o presidente da Câmara não trabalha pelo impeachment. De acordo com o Radar, ouviram de Maia palavras tranquilizadoras.


Com informações de Folha, Estadão, Globo, G1, Poder 360 e Veja


Painel Político por Redação

Notas e notícias sobre política e bastidores do poder

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]