Dólar com. 5,321
IBovespa 0,55
06 de julho de 2020
min. 23º máx. 28º Maceió
pancadas de chuva
Agora no Painel Hospital Regional do Norte abre as portas para casos da Covid-19 nesta terça-feira (07)
24/01/2020 às 12h20

Blogs

Recuo presidencial não afasta o "odor" de crise


Bolsonaro recuou da ideia de mudança no ministério de Sérgio Moro, mas o "odor" da crise entre os dois deve permanecer no ar, principalmente quando entrarem  em pauta assuntos polêmicos como delação premiada, juiz de garantia e ,certamente, investigações da PF envolvendo filhos e aliados dos filhos do presidente. Confira os bastidores da quase colisão entre Bolsonaro e o mais popular de seus ministros.


Sem convite

Poucas horas antes da reunião do dia 22 em Brasília, com 27 secretários de segurança, Bolsonaro havia despachado com Sérgio Moro e não o convidou para o encontro. Na pauta apresentada pelos secretários ao presidente a  sugestão de desmembrar o Ministério da Segurança  e Justiça, o que certamente escantearia Moro à Justiça, diminuindo potencialmente sua area de atuação e poder dentro do governo. Em entrevista após a reunião, Bolsonaro confirmou que a proposta entraria em estudo - "É lógico que o Moro deve ser contra, mas é estudado com os demais ministros."- afirmou o presidente.


Sem a pasta...

Quem esteve próximo de Moro nas  horas seguintes a reunião de Bolsonaro com os secretários de segurança, afirma que se a ideia de desmembrar o ministério fosse adiante Moro sairia do governo. Ficar à frente da Segurança foi uma das condições para aceitar o convite de ser ministro. Sem a pasta sob seu comando...


Pauta "de ocasião"

Segundo informações de bastidores palacianos, a sugestão dos secretários na reunião teria sido ideia do próprio presidente, para justificar o desmembramento da pasta e o consequente enfraquecimento do ministro. Bolsonaro não teria gostado da repercussão da entrevista de Moro ao programa Roda Viva (Tv Cultura), na última segunda-feira (20). O ministro demonstrou estar mais politizado e, apesar das provocações constantes dos entrevistadores, em nenhum momento afirmou ter contrariedades com o presidente, porém não se esquivou de demonstrar diferenças de pensamentos sobre assuntos importantes como delações premiadas, juiz de garantias e liberdade de imprensa. Foi surpreendentemente evasivo sobre seu futuro na política o que, para observadores políticos, pode significar uma construção de imagem junto a futuros eleitores.


 Aviso

O posicionamento de Bolsonaro pode ter sido um aviso para Moro "desacelerar" em sua eventual vontade de se lançar a algum cargo político. O presidente sabe que hoje Moro é um dos poucos (ou o único) nomes que, em termos de popularidade, tem condição de confrontá-lo em 2022.


Segurança familiar

Outra justificativa para tal posicionamento, seria a segurança da própria família presidencial. Com a mudança, Moro perderia  o controle sobre a Polícia Federal e outros órgãos com poder de investigar os filhos do presidente, milícias, políticos etc. Parece não ter sido à toa que Moro mudou de ideia sobre a federalização do caso Marielle Franco. O ministro pode ter dado um recado a Bolsonaro de que não pensa em meter a "mão nesse vespeiro."


Clima pesado

Em recente entrevista a Tales Faria (portal UOL), Gustavo Bebbiano, ex-ministro de Bolsonaro, afirmou que o presidente "tem medo de Moro e quer destruí-lo". Para Bebbiano, Moro é um importante freio no uso político da Polícia Federal o que segundo ele "irrita o Jair" e concluiu: "sem o Moro, as chances da PF ser utilizada como ferramenta de opressão contra os desafetos serão grandes. Isso poderá gerar um clima muito pesado no país.”


Painel Político por Redação

Notas e notícias sobre política e bastidores do poder

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]