Dólar com. R$ 4,132
IBovespa +1,58%
16 de dezembro de 2018
min. 25º máx. 30º Maceió
sol com poucas nuvens
Agora no Painel Bolsonaro diz que pena de morte não será debatida em seu governo
07/09/2018 às 14h28

Blogs

Bolsonaro e o legado do atentado

Raysa Leite/ Tribuna de Minas


Atentado potencializa o desempenho do agora candidato "vítima de intolerância ideológica"


Adversários parando para...pensar

Após o atentado ao candidato à presidência, Jair Bolsonaro, passou a ser opinião comum entre “pensadores” das outras candidaturas, a potencialização do desempenho do agora “vítima de intolerância ideológica”.


No segundo turno com rejeição em queda

 O candidato do PSL está agora com presença,  praticamente garantida, no segundo turno da eleição presidencial. Admitem também os “pensadores” que, devido ao clamor emocional instalado após o atentado, a rejeição a Bolsonaro seja reduzida.Faz sentido pois enquanto estiver em recuperação, os fervorosos ataques de adversários, à sua candidatura devem ser interrompidos. Sua frágil condição clínica, nos primeiros momentos de recuperação estimulam solidariedade por parte do eleitorado (de Bolsonaro, de outros candidatos e dos indecisos). Nos próximos dias, mesmo impossibilitado de fazer campanha , deverá ser manchete em programas jornalísticos em rede nacional. Terá uma  exposição em horário nobre superior a dos outros candidatos e, vale dizer, na posição de vítima.


Ódio encruado

O “ataque” evidencia, com inevitável clareza, que o  ódio em “estado bruto” está encruado em partes da sociedade e torna, praticamente impossível, qualquer possibilidade de concordância entre partes “desiguais”.


Fracionamento que gera incertezas

O ambiente é de radicalização, revolta e muita incerteza e , de certa forma, os partidos políticos pouco fizeram para impedir que o clima chegasse à essa “elevada temperatura”.O fracionamento de várias candidaturas com alguma possibilidade de vencer a eleição, impede que qualquer facção se sobreponha impondo seus posicionamentos. É bom lembrar que nas eleições de 2002 a 2014 nunca aconteceu do presidente ser eleito com maioria absoluta de votos.


Daqui para frente...

O que se espera, em nome de um bom senso que parece inexistir até o momento, é um mínimo de diálogo entre os envolvidos ou poderemos ter ( se é que já não temos) um processo eleitoral violento marcado , inclusive, por derramanento de sangue.


Painel Político por Redação

Notas e notícias sobre política e bastidores do poder

Todos os direitos reservados
- 2009-2018 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]