Dólar com. 5,458
IBovespa 4,25
26 de maio de 2020
min. 24º máx. 30º Maceió
pancadas de chuva
Agora no Painel Caixa paga hoje segunda parcela de auxílio emergencial
22/04/2020 às 11h50

Blogs

A testagem em massa e a pesquisa do Ibope: como uma boa ideia se degenera


*Fernando Rodrigues

Parece haver 1 consenso (e 1 sonho) sobre os benefícios de testar a maioria da população do país. Paulo Guedes falou em 40 milhões de testes para conceder passaportes de imunidade para aqueles cujo resultado fosse negativo para covid-19.

Para todo problema complexo sempre há uma solução simples. Em geral, errada.

Nesta semana tornou-se conhecida a intenção de o governo aplicar 100 mil testes para covid-19 no Brasil inteiro. A escolha das pessoas seria na modalidade de uma pesquisa de opinião. O Ibope (empresa contratada) iria a todas as 27 unidades da Federação. Sortearia pessoas para serem abordadas em suas casas. Os brasileiros escolhidos seriam entrevistados e fariam o teste para verificar se estão ou não infectados pelo coronavírus.

“Que ideia maravilhosa. Estudos estatísticos nos permitem saber, com uma pequena amostra da população, o que acontece no conjunto completo da sociedade. Com 100 mil testes para covid-19 realizados em todo o país, incluindo todos os grupos demográficos, o Brasil saberá em uma semana a taxa de infecção em sua população. Será 1 dado fantástico para que os governos desenhem com mais precisão suas políticas públicas para combater a pandemia”.

A frase acima não foi dita por ninguém. É só uma compilação do idílio imaginado pela equipe do ex-ministro da Saúde Henrique Mandetta e pelo próprio político agora desempregado.

Por que essa ideia (legado de Mandetta) é simplista? Por que o resultado será perto do inútil, exceto para o Ibope que receberá R$ 10 milhões para aplicar os testes?

Há 3 aspectos iniciais a serem considerados:

  • privacidade – uma empresa privada (Ibope) terá acesso ao resultado de 100 mil testes de covid-19, além das entrevistas com as pessoas que submeterem a essa testagem;
  • a coisa errada no lugar errado – empresas de pesquisas até podem ter seus funcionários treinados para furar o dedo das pessoas, coletar duas gotas de sangue e depois colocar no medidor com o reagente para ver se o teste dá positivo ou negativo para coronavírus.
    Mas será que é apropriado empresas de pesquisa sejam contratadas para fazer isso? Será que não seria mais correto montar convênios com empresas de saúde, com enfermeiros/as que já são treinados para esse serviço?
  • os testes (in)apropriados – a Coreia do Sul testou muita gente e isso virou uma espécie de “Santo Graal” na prevenção da covid-19. OK. Mas quais testes devem ser usados? Quantas pessoas foram de fato testadas? No caso da Coreia, o estudo está detalhado aqui, inclusive a lista de reagentes usados (com indicação de origem e do fabricante) para verificar se as pessoas estavam ou não contaminadas.
    Mas e no Brasil, como será esse processo?
    Pois bem, quem produz a maioria (talvez todos) os kits de testes em massa já usados no Brasil são fabricantes chineses.
    Propagar preconceito ou xenofobia é algo que deve ser abjurado por todos. Mas o fato é que os chineses têm péssima reputação na produção desses kits de testes para covid-19.
    Espanha comprou 640 mil testes da China e teve de devolver o material: só 30% dos kits funcionavam direito.
    República Tcheca comprou 300 mil testes da China e só 20% tiveram desempenho aceitável quando aplicados.
    Reino Unido adquiriu 2 milhões de testes da China e também teve de descartar o material, por serem kits não confiáveis.
    Com o material chinês sendo contestado, começou uma corrida entre várias empresas para tentar criar 1 teste rápido e eficaz para detectar o coronavírus.
    No Brasil, importadores entraram em guerra para desovar por aqui os testes chineses que têm sido rejeitados em países desenvolvidos.

Depois desses 3 aspectos preliminares apontados acima, é importante complementar esse debate respondendo a esta pergunta: por que muitos testes rápidos disponíveis (sobretudo os da China) para covid-19 têm problemas?

Pelo seguinte:

1) só depois de 7 dias – os testes rápidos só detectam a doença se a pessoa está infectada há, pelo menos, mais de 7 dias. Ou seja, centenas de milhares de infectados que fizerem o teste rápido vão ter resultado negativo –mas poderão estar infectados e continuarão sem saber.

2) imprecisão – a acurácia desse teste chinês que o Ministério da Saúde comprou é de 78% (isso está em texto publicado pelo Poder360, inclusive com uma descrição detalhada). Ou seja, mesmo que a pessoa esteja com o coronavírus há mais de 7 dias, o teste só terá resultado positivo (com sorte, pois isso varia) em 78% dos casos.

Para complicar, o Ministério da Saúde acaba de lançar 1 “chamamento” para empresas venderem mais 12 milhões de kits de testes rápidos. A única exigência: que sejam homologados pela Anvisa. Essa homologação é apenas 1 carimbo. Por causa da pandemia de covid-19, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária está dispensada de fazer investigação científica prévia sobre a acurácia desses testes. Terá de acreditar nos papéis que os fabricantes apresentarem de supostos estudos conduzidos em outros países.

O que poderia ser feito, então?

Primeiro, abandonar a ideia de que com testes rápidos aplicados por uma empresa de fora do setor de saúde será possível saber o que se passa no Brasil inteiro.

No caso da testagem da população em geral (ainda que seja com os testes chineses, que podem ter até 70% de imprecisão nos resultados), obviamente que isso seria desejável. Mas essa estratégia só seria aceitável se houvesse 150 milhões ou 200 milhões de kits disponíveis no Brasil –e muito dinheiro do Orçamento sobrando. Mas não haverá esse volume de testes. E o dinheiro público deve ser gasto de maneira eficiente.

Usar testes rápidos para qualquer pessoa, de maneira aleatória, neste momento é 1 crime contra a população, pois o efeito prático disso é nulo. Joga-se dinheiro pela janela sem ter nenhum resultado aproveitável para a saúde pública nem muito menos para efeitos estatísticos.

Esses testes rápidos (que agora já foram comprados pelo governo federal e por vários governos estaduais) podem ser usados em pessoas mais expostas à contaminação. São milhões de brasileiros. Por exemplo, funcionários do setor de saúde, de segurança, de supermercados, de transportes e de entrega em domicílio. Enfermeiros, caixas de supermercado, motoristas de ônibus e motoqueiros: heróis que mantêm o país funcionando e levantam da cama diariamente sem saber se já foram ou não atingidos pelo coronavírus.

Essas pessoas poderiam ser testadas a cada 7 dias com os testes rápidos (inclusive os vindos da China). Isso seria 1 grande serviço e uma demonstração de consideração e reconhecimento do Estado brasileiro para com os trabalhadores que não tiveram a opção de ficar em casa e longe da covid-19.

Aplicar o teste em 100 mil pessoas no Brasil, como se fosse uma pesquisa, é perto do inútil. Milhares dessas pessoas podem estar infectadas há menos de 7 dias. Nesses casos, o teste não vai detectar absolutamente nada. E mesmo nas infectadas, a taxa de acurácia do resultado é de apenas 78% –no teste adquirido pelo Ministério da Saúde.

Em Brasília, o governador local, Ibaneis Rocha (MDB), comprou testes chineses. As pessoas fizeram fila dentro de seus carros no Parque da Cidade neste 21 de abril de 2020 para terem seus dedos furados e o sangue testado em menos de 15 minutos. Tudo “de graça”. Para que serve isso? Para alguns habitantes ricos da capital federal saírem dali, dentro de seus automóveis, com a falsa impressão de que estão sem a doença. E para que a administração do Distrito Federal passe a falsa impressão de que se preocupa com os cidadãos.

Vale registro o alto preço da experiência de Brasília. Ibaneis Rocha adquiriu 300 mil testes rápidos da China por R$ 65 milhões. Custo unitário: R$ 216,67. Produtos chineses equivalentes custam R$ 150 até quando vendidos em pequenos lotes.

Atualização: o governo de Brasília informou que foram realizados 3.196 exames e 46 tiveram resultado positivo na 3ª feira (21.abr.2020). Nenhum (isso mesmo: nenhum!) cidadão testado foi diagnosticado como já imunizado para a covid-19. Obviamente, a testagem brasiliense não serve para o que buscam todos os governos: identificar quem está doente, quem não está e quem já está imunizado.

Tudo considerado e de volta ao caso da pesquisa/testagem com 100 mil pessoas, a ser conduzida pelo Ibope, as evidências indicam que o valor estatístico da informação resultante será mínimo. O que vai se ganhar com esse tipo de apuração? Muito pouco. Possivelmente, nada. De novo, exceto o Ibope, cujo contrato fala numa remuneração de R$ 10 milhões.

Seria muito melhor e mais útil testar a cada 7 dias os milhões de trabalhadores que atuam nos serviços essenciais. Mas aí o impacto desejado por alguns políticos não seria o mesmo.


*Fernando Rodrigues é o criador do Poder360. Repórter, cobriu todas as eleições presidenciais diretas pós-democratização.



Painel Opinativo por Opinião & Expressão

Espaço para postagens de opinião e expressão dos internautas

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]