Dólar com. 5,218
IBovespa 2,00
14 de agosto de 2020
min. 21º máx. 29º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel OMS minimiza risco de novo coronavírus entrar na cadeia alimentar
14/01/2019 às 13h37

Blogs

Janeiro Branco: sentidos e subjetividades


"O mundo à sua volta não é algo 'dado' e definitivo; é possível transformá-lo; você mesmo pode ser alterado ao se dedicar à tarefa de mudá-lo".

  Zygmunt Bauman


Marcelo Sandes*

Pensar a campanha Janeiro Branco é conversar e refletir um pouco sobre as nossas subjetividades: como dimensionamos e nos situamos na vida, tenhamos ou não maior consciência disso. De uma forma ou de outra, necessariamente somos afetados por cada condição particular de funcionamento que esboçamos ou adotamos. 

Daí a complexidade e delicadeza que é falar de Saúde Mental - fina­lidade da campanha -, começando pelo desafio que é conceituar tal condição. Até que ponto não estar acometido por uma patologia, síndrome ou disfunção classificável é estar saudável? E se estou acometido, até que ponto o meu emocional pode influenciar e me ajudar no necessário processo de superação?

O Janeiro Branco convida a um exercício de introspecção que nos habilite a olhar e estar mais atentos à nossa subjetividade, ao nosso emocional; às pulsações, impressões e sinais mais sutis que tantas vezes nos escapam, mas que poderão, oportunamente, pela regularidade e efeito cumulativo, servir de lastro às nossas ansiedades e depressões. 

Propõe ainda que Saúde Mental implica perspectiva de bem-estar e qualidade de vida para além do conceito estrito de ausência de transtornos mentais, nos estimulando a pensar e ver os indivíduos em sua totalidade, em relação e interação, de forma integral, considerando o contexto social, político e histórico em que se inserem. 

Nessa perspectiva, falar de Saúde Mental é falar em prevenção, cuidado, atenção, solidariedade e empatia. É falar do bem-estar e da qualidade de vida que precisamos nos propor a construir a cada dia, a cada enfrentamento e superação, nas idas e vindas das nossas potencialidades e limitações. 

É, enfim, o olhar que se faz ne­cessário em relação a nós mesmos e às pessoas com as quais  nos relacionamos no cotidiano - em casa, no trabalho, nas interações sociais -, de valorização do diálogo, da capacidade de escuta e do respeito mú­tuo, trabalhando assim a questão da prevenção, e do compromisso pessoal com a construção de uma vida mais satisfatória e produtiva.

*É jornalista e psicólogo


-Publicado originalmente em janeiro de 2018 no portal Painel Notícias

-Publicado na edição 24 da revista Painel Alagoas


Fonte: Painel Alagoas


Painel Opinativo por Opinião & Expressão

Espaço para postagens de opinião e expressão dos internautas

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]m.br