Dólar com. 3,791
IBovespa 0.84
18 de março de 2019
min. 27º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Polícia identifica turco de 37 anos como suspeito de ataque na Holanda
19/11/2018 às 12h46

Blogs

É hora de começar a limpar nossa própria sujeira


Milena Andrade*

Quem aí já parou para ver de perto a empregada doméstica de casa ou diarista trabalhando? Geralmente, quem precisa — ou acha que precisa — pagar por essa mão de obra, ou trabalha fora ou vai cuidar de coisas “mais importantes” en­quanto o serviço é feito.

Pois bem. Na semana passada, tive a chance de presenciar a diarista finalizando a limpeza da casa ao chegar um pouco mais cedo do trabalho. Eram cinco horas da tarde. Ela tinha começado a fazer a faxina de manhã cedo e continuava. Pedi para ela ir tomar um banho e ir pra casa, afinal de contas, já estava tudo ok e ela devia estar exausta. Como resposta ouvi “não gosto de fazer nada mal feito, a casa tava muito empoeirada”. Insisti, mas não adiantou.


Fui tomada por um mal estar gigantesco. É justo que essa mulher negra, de quase 50 anos, mãe solteira, que tomou conta de meu filho desde bebê, por quem eu tenho tanto afeto, seja obrigada a se sustentar fazendo o trabalho que ninguém quer fazer? Não, não é justo.
Por que nesses doze anos que a conheço eu não a encorajei ou a ajudei a aprender um outro ofício?
Por que só agora percebo que um salário mínimo ou R$ 100 por faxina nunca pagarão o que ela dá a cada dia de trabalho, que exige dela muito mais do que apenas limpar e arrumar?


Qualquer pessoa que já se lançou nos serviços domésticos sabe do que estou falando. Limpar a própria sujeira é incômodo, chato, cansativo. Arrumar a própria bagunça idem. Se preocupar com o que vai ter na mesa amanhã também. Passar as roupas, lavar os pratos, tirar o limo que se acumula nos cantos do banheiro, quem quer “perder” tempo com tudo isso?


Não é por não termos tempo que contratamos empregas domésticas, é por não querer enfiar a mão nessa sujeira toda listada aí acima. É por acharmos que isso não é trabalho nosso. Não é à toa que, sem pensar muito, costumamos dizer ‘hoje estou no tronco’ ao cantarolar o ‘lerê, lerê’ da Escrava Isaura toda vez que ‘temos que’ encarar uma faxina básica. “Vida de negro” é difícil mesmo.


Essa crença tem raízes longínquas. Lá na formação do nosso país. Ela se construiu em cima da exploração de pessoas, no machismo e na misoginia. Cito aqui texto do blog Servir ao Povo de Todo o Coração sobre escravidão doméstica:
“Mesmo com o fim da escravidão decretado por lei de forma tardia em 13 de maio de 1888, a relação entre a dona da casa e a escrava se disfarçou na relação entre dona de casa e empregada, os que eram escravos agora estão — em teoria — libertos, e deverão ser incorporados como mão de obra no mundo do trabalho assalariado; para as mulheres negras isso se deu majoritariamente na continuidade do trabalho doméstico anteriormente desempenhado, mantendo quase as mesmas relações de trabalho entre senhores e escravas, desta vez a partir de novos arranjos sociais, o trabalho doméstico assume características muito próximas da estrutura escravista anterior”.
Nem precisa desenhar pra entender com o que a gente ainda segue compactuando.


É claro, para mim, que isso precisa ter fim. Não é ético, não tem coerência nos valermos dessa exploração e subordinação a outra pessoa para nos livrarmos daquilo que não queremos fazer, por preguiça, alienação ou nojo. Está na hora de sermos responsáveis por nossa própria sujeira, pelo fim dessa e de qualquer tipo de mão de obra que tenha que se sujeitar a situações de degradação e humilhação. Para aquele que pensa que sua empregada doméstica é tratada como uma pessoa da família digo que pare de se enganar. Você não deixaria para sua mãe a limpeza da latrina ou daquela panela cheia de fungo que esqueceu na geladeira.Exploração não é empatia. A ruptura necessária está nas nossas mãos. Vamos lá?


*É superintendente de jornalismo da Secretaria de Comunicação do Estado de Alagoas

*Publicado originalmente na edição 22 da revista Painel Alagoas


Painel Opinativo por Opinião & Expressão

Espaço para postagens de opinião e expressão dos internautas

Todos os direitos reservados
- 2009-2019 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]