Dólar com. 5,347
IBovespa 2,05
10 de julho de 2020
min. 23º máx. 29º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Presidente do STJ concede prisão domiciliar a Fabrício Queiroz

Blogs

#TodosSomosMilagres

19.05.2020 às 19:46
Divulgação

Com a correria da vida, e o tempo sempre “apertado”, vínhamos sendo bem individualistas, dando pouca atenção aos semelhantes, conhecidos ou não.

E ai, aparece este microscópico e mortal Coronavírus pra mudar radicalmente, não só a vida, mas, principalmente, o modo de viver.

Com a obrigatoriedade de se isolar, socialmente, é que tomamos consciência do quanto sentimos falta das pessoas e do convívio. Nesta pandemia mundial, muitas carências afloraram e a certeza do quanto precisamos uns dos outros. Comprovadamente, impossível viver sozinho.

Como sempre digo, nada é 100%, nem bom nem ruim. Com tantas pessoas passando por carências e dificuldades, verdadeira onda de solidariedade tem amenizado tantos sofrimentos mundo afora. Apesar de não podermos estar próximos uns dos outros, novas formas de ajudar surgiram, mesmo à distância.

O assunto de hoje é sobre a região de Alagoas que merece destaque, principalmente pela beleza e qualidade do mar do Litoral Norte, a chamada Rota Ecológica, ou Rota de Charme, que inclui Porto de Pedras, Passo de Camaragibe, São Miguel dos Milagres.

Com certeza, no Brasil, nenhum lugar tem sido + procurado pra ser cenário de diversos eventos, com destaque pr’os casamentos de celebridades. A economia local tem girado em torno destas monumentais festas. Inclusive réveillon. Hotéis e pousadas sempre cheios, gerando qualificação, emprego e renda pra muita gente nativa.

Com esta pandemia provocada pelo Coronavírus, as consequências tem sido drásticas e dramáticas. Famílias inteiras dependem do Turismo pra sobreviver, e com todo o setor 100% paralisado, carências são dolorosas e podem ser fatais.

E o projeto #TodosSomosMilagres está movimentando pessoas do bem, numa iniciativa do médico Edson Ataíde e o Instituto Yandê, que vem realizando incrível trabalho de preservação do peixe-boi marinho.

E agregando voluntários, como a arquiteta, urbanista, paisagista, escritora, agitadora e produtora social e cultural... Mirna Porto.

Empresários da região foram contactados, assim como as prefeituras, que tem feito o máximo, mas, quanto + ajuda, melhor o resultado. Então 1 rede de solidariedade se formou, reunindo donos de hotéis, pousadas e restaurantes, gente poderosa que já utilizou a região pra produzir eventos, como casamentos de estrelas nacionais da TV, da música... , como os chefs que vem se destacando pelos banquetes que vem servindo por lá, decoradores, cerimonialistas... ou seja, precisamos de todos que, de alguma forma, vem fazendo sucesso naquele paradisíaco cenário. E nada + justo que retribuir de alguma forma, toda a atenção e ajuda recebida pelos nativos na produção destas festas. 

E assim, com a força de todos, podermos ajudar quem + precisa. Como o Magazine Luiza, que doou 300 cestas básicas, que vem sendo distribuídas aos poucos, alem de 4 máquinas de lavar roupas, instaladas nos postos de saúde dos municípios. Sim, porque pra manter o Covid19 eliminado, higiene é fundamental. Vou postar aqui o texto que Mirna escreveu explicando bem o projeto #TodosSomosMilagres , incluindo 1 hotel que está sendo adaptado para se transformar num centro de isolamento, concentrando nele as vítimas da pandemia, evitando contaminar suas famílias. Grupos de voluntários tem movimentado as cidades, distribuindo máscara confeccionadas por costureiras da região. Enquanto 10 pousadas estão engajadas na campanha.  Quem quiser ajudar, é confirmar reservas pra se hospedar quando este momento passar e o turismo estiver liberado, e a cada reserva, certas básicas serão distribuídas.

Quem doa ganha + do que quem está recebendo a ajuda. @voluntáriosdemlagres no Facebook e @voluntariosdemilagres no Instagram com + informações e canais pra ajudar.

#TodosSomosMilagres 

A Costa dos Corais , em Alagoas, região conhecida por Milagres , é formada por três Municípios. Passo de Camaragibe, São Miguel dos Milagres e Porto de Pedras.

Região turística, conhecida por sua paisagem preservada e singeleza de modos. 

Objeto de desejo de artistas , casais apaixonados , juventude sofisticada. 

Criou  fama por seus réveillons, e inesquecíveis casamentos. 

Nessa paisagem, de mar turquesa e abundantes coqueirais, vive uma população que viu no turismo o sustento para suas famílias. A melhoria de vida pelo trabalho. 

Muitas de fora , viram também. Assim , pousadas foram erguidas ao longo da última década .  Casas  foram construídas e preparadas para serem alugadas por temporada. 

Essa mudança de perfil , feita de forma cuidadosa , respeitosa . Absorveu mão de obra local . Treinaram pessoas .  Abriram um mercado promissor. 

Um mercado apoiado unicamente no turismo. 

Pequenos negócios foram alimentando famílias. Do artesanato a gastronomia, uma rede de serviços foi tecida para apoiar visitantes de toda o mundo. 

O charme e a paisagem de Milagres ganharam fama. 

E tudo ia bem , quando em meio ao verão veio o vírus.  O Corona e a pandemia. 

O isolamento e o fechamento de todos os estabelecimentos turísticos. 

Para cidades  de economia diversificada foi difícil, para Milagres foi terrível. 

O fechamento de toda a estrutura que alimentava uma população totalmente voltada para a cadeia turística , levou a fome rapidamente a muitos lares , e toda a teia produtiva ficou repentinamente sem alternativas. 

Nesse contexto , surge um grupo de pessoas, lideradas por um médico , Édson Ataíde, que atende ao município de São Miguel dos Milagres . Conscientes dos graves problemas de infraestrutura social da região , os Voluntários se unem em busca de soluções , dentro desse isolamento , agora tão necessário a sobrevivência humana no planeta. 

A arrecadação de alimentos e material de limpeza, se faz urgente. 

O número de famílias sem alternativas de sobrevivência só aumenta a cada dia. 

A união dos três Municípios  para o fortalecimento na busca de soluções emergenciais frente a pandemia faz se necessária . Urgente. 

Demonstra que barreiras políticas e pessoais  precisam ser quebradas em face ao momento que o mundo enfrenta. 

As prefeituras unidas e a energia de todos , que vivem , ou já viveram a região de Milagres, fez crescer nos corações a vontade  de gerar soluções imediatas . 

A região hospitaleira , precisa também de um hospital de campanha. 

Para a triagem e isolamento dos doentes em fase inicial. 

O hotel Angar. em lugar estratégico foi contactado . E em troca da manutenção da folha de pagamento de seus funcionários , pode ser o hospital. 

São sessenta e quatro leitos garantidos .  Toda estrutura. 

Mas há necessidade de apoio de todas as áreas para essa estrutura funcionar. 

Os Voluntários esperam que os dias e as horas inesquecíveis voltem como Milagres  às vidas de todos. 

Que se faça a solidariedade tão viva quanto os azuis e verdes dessas praias agora desertas .   Que haja alimento nas mesas hoje vazias das casas singelas e coloridas , dos arruados agora silenciosos . 

Convidamos aos que trazem na memória  dias em Milagres , a se unirem . Porque muitos milagres podem ser feitos . 

E não importa o que você faça . 

Faça o que sabe , e pode fazer . 

Mesmo a distância. 

Faça. 

Faça um milagre acontecer em Milagres . 

#TodosSomosMilagres

Postado por Felipe Camelo

Desumanidade

18.05.2020 às 17:59
Reprodução

Pra mim, 1 dos piores crimes é a pedofilia. Este hediondo comportamento gera consequências em série. A violência sofrida é tão profunda que aquela vitima nunca + será a mesma pessoa. Já li matérias que afirmam não ser raro, vitimas de abuso sexual na infância ficarem tão “perturbadas” que acabam praticando este mesmo crime, fazendo nova geração de vítimas. Triste “corrente”.

Confesso que meu coração acelera quando penso na agonia de quem passou por isso. Muitas foram abusadas por anos, a vida toda com medo, sofrendo, em permanente isolamento. E o pior, na maioria dos casos, os algozes são pessoas próximas, do convívio.

Em tempos de pandemia, quando a recomendação é ficar em casa, atenção deve ser redobrada. A responsabilidade é de todos, da família, amigos, vizinhos, e também do Estado, observar o bem estar dos pequenos e jovens. Qualquer sinal deste crime deve ser imediatamente comunicado.

Neste 18 de maio, marcado no Brasil como o Dia Nacional do Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, esta triste realidade ainda é, infelizmente, frequente.

Nesta data, em 1973, Aracelli, aos 8 anos de idade, foi sequestrada, violentada, barbaramente assassinada “por adolescentes de classe média”, que, incrivelmente, nunca foram punidos, 2* notícias na Imprensa.

Existe Lei Federal, mas não impede que esta deformidade comportamental continue sendo praticada, gerando sempre, novas vítimas. Confesso que sou pacífico e 100% contra qualquer violência, tanto que não consigo imaginar qual seria a punição + acertada pra crimes de pedofilia. Só sei que não consigo entender e perdoar estes insanos.

Acredito que esta atenção deve ser de todos nós. É preciso cuidar e proteger quem não consegue se defender sozinho. Deve ser instinto de sobrevivência da espécie. Se não protegermos as próximas gerações, estaremos na história como sociedade ignorante e desumana. E descivilizada.

Postado por Felipe Camelo

Paladinos pela Saúde

15.05.2020 às 19:22
Felipe Camelo

A vida não será + a mesma depois desta pandemia do Coronavírus. E como creio que nada na vida é 100%, nem bom nem ruim, prefiro ver o lado positivo e operante, apesar de não ser Poliana.

A vida “normal” vinha sendo vivida muito individualmente, poucas pessoas se preocupavam com os outros. Empatia, poucos praticavam, se colocar no lugar do outro? Raramente.

E este Covid-19 veio pra transformar esta vida “normal”. Sim, porque egoísmo e ganância são podem nem devem ser os sentimentos característicos do seres humanos. Incrivelmente, este microscópico vírus não  escolhe suas vítimas. Quem duvidar, desdenhar e se arriscar, será + 1, fatalmente. E comprovadamente, poucos escapam. O número de mortos só cresce, numa velocidade muito + acelerado que os sobreviventes, infelizmente.

Incrível, profissões pouco, ou nada, valorizadas, se confirmam como fundamentais. Estou ‘falando’ dos enfermeiros (tão importantes quanto os médicos), equipes de faxineiros e serviços gerais, motoboys, caminhoneiros, funcionários de supermercados e farmácias... merecem respeito e valorização, já que sem eles, a vida não seria a mesma. Eles são verdadeiramente humanos, que vem arriscando suas próprias vidas (e consequentemente, de seus familiares) pra salvar vítimas, numa prova incontestável de amor ao próximo.

Como todos sabemos, não há vacinas ou remédios que elimine este covid-19, e comprovadamente, o uso de máscaras e demais equipamentos de proteção individual e o isolamento social são as únicas maneiras de barrar a proliferação, a contaminação.

E para confirmar, nós da Imprensa temos nos arriscado também para manter a população bem informada. E entre as muitas informações, o confinamento é a maneira + segura e eficaz para evitar + mortes.

Infelizmente, o governo brasileiro não vem dando a devida atenção aos cuidados e recomendações da Organização Mundial da Saúde, sem querer seguir suas orientações. Enquanto o número de mortes no Brasil cresce assustadoramente, a vontade presidencial é relaxar o isolamento, + preocupado com a economia, insistindo em confinar ‘grupos de risco’. Comprovadamente não existem estes grupos, já que ninguém está livre. Idade, sexo, classe social... inexistem diante da pandemia que assola o mundo. Agora querem reabrir academias de ginástica, barbearias e salões de beleza, locais de contacto muito próximo dos frequentadores.

No Brasil, temos a sorte por termos governadores e prefeitos + esclarecidos e preocupados que o presidente, e amparados pelo STF, tem tido autonomia pra definir posicionamentos.

Foto: Pei Fon/Secom Maceió

Aqui nas Alagoas, temos muita sorte por termos Renan Filho no governo e Rui Palmeira na prefeitura de Maceió, que vem realizando excelente trabalho no combate ao mortal Coronavírus.

E o que me deixa incrédulo é o descaso de muita gente que não respeita estas normas de contenção desta ameaça. Além da expressa proibição de circulação, isolaram praças, parques, inclusive a orla marítima. Mas mesmo assim, com sinalizações de proibição, não é raro encontrar pessoas desrespeitando.

 Assim, com esta postagem de hoje, quero confirmar que estas medidas de isolamento radical são imprescindíveis pra manter a população saudável, e reforçar meu reconhecimento ao incansável trabalho do governador e do prefeito, desejando que todos cumpram estas medidas de sobrevivência.

Parabéns pela determinação e força, confrontando as absurdas determinações do governo federal. Renan e Rui, minha admiração.


Postado por Felipe Camelo

Arte é Evolução Cultural e Social

14.05.2020 às 16:40
Acervo Pessoal

E neste Dia Alagoano de Teatro, o único motivo pra celebrar é o passado (o distante e o recente), de produções e sucessos comprovados, de críticas e público.

Ultimamente, é explícita e notória a batalha dos artistas pela sobrevivência, num país que não tem reconhecido a importância das Artes na evolução da sociedade. Com políticas públicas culturais completamente paralisadas, difícil produzir, com qualidade, sem apoio e incentivo. 

E nestes pandêmicos tempos, a realidade tem sido cruel com vários setores, como o Turismo, 100% afetado pelo Coronavírus, mas foi o seguimento artístico o 1* a parar as atividades. Shows, peças de teatro, lançamento de livros, cinema... tudo parou, afetando drasticamente a vida de milhares de profissionais.

Seguimento que gera não só novos pensares, novos conceitos e valores sociais, mas gera principalmente emprego e renda pra muitas famílias, movimentando milhões na economia brasileira.

Infelizmente, estamos vivendo num Brasil gerido fundamentalmente por retrógrada ideologia política que não prioriza a Cultura, a Ciência, o Conhecimento. Pensar, só se seguir a cartilha vigente. Se não, “se vire por conta própria”. Prefere-se armas, preteri-se Arte. As entidades e órgãos que comandam este seguimento tem sido ineptas e seus dirigentes, até agressivos com a classe, incluindo cantores, atores, músicos, diretores, técnicos, artistas plásticos, fotógrafos, escritores...

Com o fim do Ministério da Cultura, transformado numa simples e diminuída secretaria no Ministério do Turismo (sic!), o baque já foi sentido, mas houve esperança quando a atriz Regina Duarte foi nomeada secretária especial, mas seu discurso de posse, já causou surpresa e perplexidade, numa performance desastrada e sem nexo, exagerada e até ignorante, quando comparou Cultura com “o pum de talco na bunda do palhaço”.

Confesso que eu nem queria, mas me senti tão ofendido que não pude reagir de outra forma que não condenar esta chula visão da Cultura produzida no Brasil, apesar de tão respeitada mundo afora. Semanas depois da posse, nada foi iniciado na secretaria, principalmente nas consequências da pandemia do Covid-19, sem nenhuma atitude para minimizar as carências humanas.

Infelizmente, entre os milhares de brasileiros falecidos nesta pandemia, escritores, compositores, músicos, cantores, artistas plásticos, atores... e incrivelmente, a ex-atriz, como representante da Cultura no governo federal, não emitiu nenhuma nota de pesar. E recentemente, em entrevista na CNN Brasil, suas respostas e colocações chocaram, principalmente por diminuir a crueldade e a violência da ditadura no país, e irritada com a cobrança da moção oficial de luto pelos artistas vítimas do vírus, afirmou e repetiu que não iria criar “obituário na Secretaria de Cultura”. Preferiu cantar “pra frente Brasil...”, tema da seleção de futebol em plena ditadura.

Claro que inúmeras e negativas reações movimentaram o país, inclusive com moções de repúdio em abaixo-assinado com + de 500 nomes, alguns bem famosos, entre associações, entidades e grupos artísticos e culturais de vários estados, confirmando que, com estas características ideológicas, “Regina Duarte não nos representa”.

E neste Dia Alagoano do Teatro, aqui no blog,  merecida e justa homenagem ao pioneiro e principal nome, Linda Mascarenhas.

E claro que senti falta de algumas assinaturas neste abaixo-assinado, como a da Associação Teatral de Alagoas - ATA, companhia fundada, justamente, por Linda. Duvido que esta mulher feminista, ativistas e guerreira fosse concordar com o posicionamento retrógrado da atual secretária nacional da Cultura.

Mas enfim, sigamos mentalizando energias positivas pra que este ciclo do mundo (que é redondo e dá voltas) se encerre logo, que este vírus seja eliminado, e que nossa Cultura seja novamente respeitada e valorizada, principalmente pelos órgãos governamentais.

Viva a Democracia! Viva a Liberdade! Viva a Cultura! Viva o Teatro de Alagoas!!!

Postado por Felipe Camelo

Nem os Imortais

13.05.2020 às 19:19
Felipe Camelo

Triste momento este, em que enfrentamos 1 microscópico vírus que parou o mundo, mudando radicalmente a vida de milhões de pessoas.

Algumas sobrevivem, mas muitas não conseguem, aumentando a estatística. Mas não são números, são seres humanos, com suas histórias, famílias, amigos, e merecem respeito e homenagens. Triste inclusive por não podermos velar e sepultar com os devidos ritos de passagem. O isolamento social é, e deve ser, radical, para assim, frear esta mortal pandemia. Qual não foi minha tristeza quando soube que dr. Carlos Mendonça não conseguiu superar este Covid-19 e partiu nesta 3ª-feira, 13 de maio.

Ele, que sempre foi destaque por mérito, era membro das + importantes agremiações culturais em Alagoas, entre elas, Imortal da Academia Alagoana de Letras.

Daqui, meu reconhecimento ao ilustre dr. Carlos, desejando que ele siga no Caminho da Luz, e que sua querida família fique em Paz, mantendo a Fé. E a Saúde.

Postado por Felipe Camelo

Por Amor ao Próximo

12.05.2020 às 18:31
Reprodução

“Enfermagem é uma ciência cujo objetivo é a implantação do tratamento de doenças e o cuidado ao ser humano, individualmente, na família ou em comunidade de modo integral e holístico. No Brasil a profissão é exercida por auxiliares de enfermagem, técnicos de enfermagem e por enfermeiros, profissionais com formações e funções distintas dentro de uma mesma área”, 2* Wikipedia.

Este 12 de maio é marcado como Dia da Enfermagem pelo nascimento da britânica Florence Nightingale, pioneira da enfermagem moderna, que nasceu em 1820.

Já ouvi gente desdenhando da profissão, dizendo que enfermeiros e enfermeiras são médicos frustrados, que não conseguiram ser “doutores” e acabaram sendo “apenas auxiliares”. Acho a afirmação inverídica, já que conheço muitos profissionais da enfermagem que amam o que fazem. São por opção. E dedicados, merecem reconhecimento, respeito e valorização.

Em guerras, epidemias, ou pandemias, como esta do Coronavírus, abnegação, dedicação, empatia, solidariedade, altruísmo... são sentimentos e práticas visivelmente comprovadas. Deixam suas famílias em 2* plano, esquecendo de suas próprias vidas, pra se dedicarem integralmente aos pacientes. Mesmo se arriscando. Muitos faleceram nestes últimos meses, infectados.

Em algumas situações, em que precisei de hospitalização, nunca me faltaram pessoas da enfermagem que foram fundamentais na minha recuperação. Minha eterna gratidão.

Sou muito grato, principalmente, nesta época de Covid19, quando muitos deixam suas famílias, e 100% dedicados ao trabalho de salvar vidas, mesmo que ponham as suas em risco. Assim, neste 12 de maio de 2020, meu reconhecimento ao fundamental é imprescindível trabalho destes profissionais da Enfermagem. Torço pra que eles recebam exatamente o que doam, sem esperar nada em troca, além de tratamento digno. Sim! Porque eles, e elas, merecem.

Feliz Dia da Enfermagem!!!

Postado por Felipe Camelo

Nova Normalidade

11.05.2020 às 18:26
Felipe Camelo

Estou 100% isolado, com minha ‘filhota’ Toda, e só tenho saído quando precisamos de comida ou remédio. Desde março não corto cabelo ou barba, tô a cara de 1 “homem das cavernas”, mas não estou estressado não. Se é pra ser assim, que seja.

Tenho tentado me manter em paz, procurando me ocupar, mas fazendo somente o que me dá vontade naquele momento. Por exemplo, tenho roupas pra lavar, mas, se o prazer for cuidar do jardim, serão as plantas que terão minha atenção. Quando der vontade de lavar roupas, lavo. Mas não tenho me obrigado a nada.

Confesso que continuo com o mesmo prazer em trabalhar, e confirmo que sempre priorizei minhas obrigações, deixando ‘de lado’ atividades que me dariam prazer pessoal naquela hora.

E nesta pandemia, pra tentar controlar ansiedade, estresse, baixo astral,  tristeza... tenho dado prioridade total ao “meu desejo”, sem me culpar. No início, ficava me “cobrando” por estar deitado numa rede no meio da tarde. Não +. Deito e durmo, na boa. Se é o que “tenho pra hoje”, que seja. Sem dor. Tanto que nunca + postei matéria aqui no blog. Não vinha conseguindo me concentrar. Peço desculpas aos internautas deste portal, mas apenas respeitei este meu momento, quando é preciso sobreviver da melhor forma. Sem estresse. Aproveito pra agradecer aos meus editores, pelo entendimento e paciência.

E sobre o Covid-19, quando raramente saio, tomo todos os cuidados, e +. Tudo que possibilitar minha segurança, não deixarei de fazer. Chego a trocar o calçado que cheguei em casa, antes de entrar no jardim. Se normalmente não toco em balcões, corrimão, maçaneta... agora + ainda. E álcool em gel, sempre. Chego em casa, boto a roupa pra lavar, limpo e guardo as compras, ainda de máscara. Só depois é que lavo a máscara, tomo banho e vou abraçar a Toda... Já vou entrar no meu ano 60, e não quero correr risco algum.

Minha mãe tem Alzheimer aos 92 anos, e desde março, não a via, e neste domingo, fui até a casa dela pra desejar Feliz Dia das Mães e dizer que a amo, mesmo da porta do quarto e, mesmo que ela não vá se lembrar da minha visita por muito tempo, a felicidade dela e minha enquanto estou ali, já valeu.

E ontem, fiquei horrorizado com algumas pessoas que não respeitam o isolamento, nem o bloqueio do estacionamento, da calçada e das praias. Eram poucos, mas estavam lá, mostrando desrespeito, principalmente com os profissionais que estão na linha de frente, tanto no contacto direto com pacientes, mas também os que se arriscam pra manter a vida de quem está em casa, com as necessidades básicas, em dia.

Vi 1 ciclista e também 1 senhorinha cadeirante que não deixou de circular pela calçada, como faz sempre. Essa, tadinha, não deve nem ter a real noção do que está acontecendo no mundo. Mas o cúmulo, na Ponta Verde, alguém tirou a faixa, estacionou, e foi pra praia, como se não precisasse respeitar o coletivo. Uns 3 homens, e nenhum usava máscara. Preocupação com a proibição? Nenhuma.

Na China, com o relaxamento do isolamento, os números de infectados aumentou, e novas medidas estão sendo tomadas. Infelizmente, aqui no Brasil, muita gente desrespeitando o isolamento, num total desrespeito, e acabam na Internet, eternizando a total ignorância.

Tomara que este Coronavírus sirva pra modificar a “vida normal” que vínhamos tendo até então. Egoísmo e ganância devem ser comportamentos transformados em solidariedade, humanidade, compaixão e empatia. Torço por isso!!!

Postado por Felipe Camelo

+ 2 Estrelas

07.04.2020 às 18:35
Felipe Camelo

Em tempos de isolamento social (comprovadamente a maneira + eficaz de diminuir a assustadora e fatal pandemia de Coronavírus, que ultrapassa fronteiras, contaminando indiscriminadamente, impiedosamente), confesso que tenho feito esforço pra me ocupar, mantendo a esperança em dias melhores, mas, tem alguns, que acordo desanimado diante de alarmantes números de contaminados e mortos, independentemente de nacionalidade, raça, idade... todos somos grupo de risco.

É característica do meu trabalho, cobrir eventos, seja de que área for, e fotografar pessoas, adoro registrar comportamentos. Mas, respeitando a quarentena, nada tem acontecido, e, assim como a grande maioria, tenho vivido isolado em casa, com Toda, minha filhota de 4 patas.

E aproveitando pra desacelerar meu ritmo e minha respiração, tenho acatado minhas vontades, sem me obrigar a nada. Tem dias que foco em limpar a casa, outros, foco no jardim, em outros momentos, leio ou escrevo, mas não tenho editado matérias pra postar aqui no blog, até porque tenho me dedicado aos cuidados com minha mãe, que, aos 93 e vítima do Mal de Alzheimer, precisou passar por cirurgia pra retirar pedras em sua vesícula.

Por isso também, não tenho atualizado diariamente, as postagem aqui no blog, como faço todo “santo dia”. Mas neste 7 de abril, quando é lembrado o Dia do Jornalista, aproveito pra reforçar meu prazer e gratidão, por ter sido convidado e ter sido tão bem recebido pelos jornalistas Eliane Aquino, Ricardo Leal & Afrânio Aquino, me sentindo honrado publicando também na revista Painel Alagoas, que reúne time de profissionais apaixonados pelo que fazem, jornalismo de qualidade. E apesar da Imprensa ter vivido momentos de agressões e desrespeito, seguimos fortes, unidos, e conscientes da importância de nosso trabalho pra evolução da sociedade, registrando pra eternidade, histórias, fatos e fotos.

Assim, não foi pequena minha felicidade com a chegada da psicóloga Meg Oliveira e a volta do jornalista Pedro Oliveira, que, aos 53 anos de jornalismo, mantém seu nome no topo dos ++. Ambos valorizam e enriquecem o produto final que apresentamos aqui, com excelência de resultados.

Comemorar esta tão importante data não poderia ser melhor, que assim, reforçando as boas-vindas, aplaudindo de pé, com muito entusiasmo, estas estreladas figuras.

Postado por Felipe Camelo

Memória de Amor

25.03.2020 às 17:20
Acervo Pessoal

Vou contar 1 incrível História de Amor.

Minha família materna foi 1 das fundadoras de Porto de Pedras, com vastos sítios de coco, principalmente na praia do Patacho. Mas meu avô Luis foi estudar Farmácia na Bahia, e quando voltou, se elegeu deputado estadual, conheceu minha avó Asty, casaram e em Maceió, ficaram.

Uns anos depois, com 1 filho pequeno, meu saudoso tio Hélio, e ela grávida, estavam lá, de férias, quando o bebê resolveu nascer, era minha mãe Hilza, que chegou ao mundo no casarão que meu bisavô construiu em 1919, e que temos até hoje.

Enquanto isso, a família de meu pai, tinha raízes em Atalaia e no Pilar, onde nossa família fez da Cavalhada + que folclore, mas Cultura. Outro dia, encontrei recorte de jornal com matéria sobre Major Camelo, que comandava grupo de cavaleiros vestidos de vermelho e azul e ele, de linho branco. Nos cavalos, arreios de prata. Mas minha avó Afra conheceu meu avô José e em Maceió se instalaram. Minha avó engravidou 2 vezes, é tristemente, perdeu os bebês, o que a fortaleceu pra ter o 3* filho, e nasceu meu pai, filho único, Rubens, que cresceu saudável.

Se conheceram na Faculdade de Direito, onde papai era muito popular, pelos estudos, e principalmente, por seu espírito festeiro e carnavalesco. Namoraram e noivaram por 8 longos anos, e nada dele marcar o casamento. Nos bailes, eram, comprovadamente, exímios na pista, casais se afastavam pra vê-los dançar. E numa destas festas, no Jaraguá Tênis Clube, ela passou a noite toda dançando com o melhor amigo dele. Na manhã seguinte, logo cedinho, lá estava ele pra marcar a data, 25 de março.

Mas infelizmente, em dezembro, meu avô Luiz, indo pr’o Natal com a família em Porto de Pedras, faleceu quando a ônibus que ele estava caiu da balsa de acesso, e ninguém sobreviveu.

Por causa desta tragédia, remarcaram o casamento, pr’as 7 da manhã, evitando festa e muita gente, já que estavam todos muito arrasados com o acidente.

Como já ‘disse’, papai, e sua turma eram, comprovadamente, grandes foliões, fosse nos clubes ou nos corços na rua, cujos temas das fantasias e dos carros alegóricos eram críticas sociais ou algum tema do momento. Claro que frequentavam, com assiduidade, as boates do Mossoró, de quem ficaram amigos.

Então, na Catedral, as 2 famílias, e poucos amigos, que, em seguida, teriam café da manhã na casa de meus avós paternos. Mas voltando ao casório, terminada a cerimônia, na porta da igreja, surpresa geral, na praça Pedro II, verdadeiro corço armado pelos amigos, que levaram todas as meninas do Mossoró, com cartazes. Entre eles, “Raul Cunha saúda nobre sócio da buate Mossoró”, “Ai que saudade, ai que dó do Camelô cachaceiro que caiu no nó”, “Por motivo de herança, mudança de esta civil, Rubinho se despede das niquimbas”, “Quando é que vai começar a briga do Zeca (meu tio Zeca Normande, casado com minha tia Cidinha, irmã de mamãe) com o Rubinho pela herança dos cocos?”, “As meninas da Quitéria saúdam o Rubinho”, “Depois que viu a renda dos cocos...”, “Após 8 anos Kangurú foi vencido pelo cansaço”...

Minha mãe dizia que nesta hora, queria sumir dali, levando papai pela orelha, se fosse preciso. Mas, tadinha, não conseguiu. Saíram em carro conversível pelas ruas do Comércio até a Pedro Monteiro. O café da manhã virou farra, e, pelas fotos, mamãe preferia a calmaria. Mas, no fim, curtiu.

Foram morar na desabitada Pajuçara, logo no comecinho. E sabem o que aconteceu? Em 11 de março, 2 semanas antes do 1* aniversário de casamento, nasci. Em 3 de fevereiro, antes do meu 1* aniversário, adivinhem, nasceu Lavínia. Foi quando papai relaxou 1 pouco, e a família só ficou completa em julho seguinte, quando chegou Fabinho.

Foi quando 1 engenheiro americano vendeu a sua casa recém construída, porque ia voltar pr’os Estados Unidos. Nos mudamos e crescemos bem felizes, principalmente porque a casa era bem em frente onde hoje fica o Lopana, e a areia da praia vinha até nosso muro. A Pajuçara era praticamente nossa. Papai vinha de carro por entre os coqueiros, não tinha estrada.

Isso, em 1963. Hoje, 25 de março de 2020, papai falecido há 8 anos, alguns dias depois do dia 25. Mesmo em coma, pareceu que esperou pra fechar + 1 Boda, e alguns dias depois de sua partida, mamãe foi diagnosticada portadora do Mal de Alzheimer.

Confesso que este maldito Coronavírus já me infectou, mas de raiva, já que médicos nos proibiram de vê-la, aos 93 anos, sequer entrar no apartamento, devemos.  Coração acelerado e apertado aqui, com todas estas lembranças. Mas, como o mundo é redondo, dá voltas, assim como a vida, e creio que nada acontece por acaso. Tudo tem 1 “porque”, e este, literalmente, “pandemoníaco” momento, passará.

Eu, sigo aqui isoladérrimo, me ocupando e mantendo a esperança e a fé.

E hoje, celebrando as Bodas de Diamante que meus pais Hilza & Rubens fariam,  certamente ainda + apaixonados, e edito esta postagem, lembrando que não foram poucas as vezes que os flagrei dançando na sala, ou abraçados na varando, namorando. Viva o Amor!!! E  #fiqueemcasa

Postado por Felipe Camelo

Turi$mo, Emprego e Renda - II

19.03.2020 às 13:56
Felipe Camelo

Como ‘disse’ na postagem anterior, Maceió foi destino de muitos agentes de viagem e profissionais de empresas de doversos setores do Turismo.

Comprovadamente a maior do Nordeste, a alagoana Masterop Operadora reconhece que não cresce sozinha, e promoveu integração, no Ritz Lagoa da Anta, reunindo representantes do Egito e da Argentina, e + de 400 agentes, de vários estados, principalmente de Pernambuco, Sergipe, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Bahia (estados nos quais a operadora mantém agências parceiras). E daqui de Alagoas, claro. 

Na tarde da 6a-feira, em rodada de negócios, estes profissionais conheceram “novos roteiros, ofertas de produtos nacionais, internacionais, cruzeiros marítimos, seguro viagem, com destaque pra venda de pacotes turísticos com aéreo, hotel e serviços”. E a noite, o Workshop promoveu ainda + negócios.

Claro que Carol Feitosa & Alexandre Lima não trabalham sozinhos. Desde 2004,  só crescem, e atualmente, na sede em Maceió, reúnem 40 ativos e dedicados colaboradores, que contam com a coordenação de feras, como Artur Francisco Filho na gerência de vendas, Márcio Costa na supervisão de vendas, e Jéssica Layane, no Marketing.

E reconhecendo também a importância dos agentes neste sucesso, em anos anteriores, automóveis 0km foram prêmios aos que + se destacaram. Assim como TVs, e outros eletrônicos já foram entregues, fazendo a alegria dos que + se dedicaram. Este ano, novidade: R$80.000,00 (em espécie) foi o total entregue, estimulando ainda + empenho em 2020.

Como nos anos anteriores, o cenário foi o terraço da praia do Hotel Jatiúca, onde o todo poderoso Cristiano Simplício fez as honras da casa, com sua peculiar simpatia. Caravanas de todos os estados nordestinos onde a operadora atua, marcaram animadas presenças, deixando a festa, ainda + divertida. Cada agente premiado chamado ao palco pela anfitriã Carol, os convidados se manifestavam, comprovando que formam 1 única equipe. Jornalistas também tiveram seu trabalho valorizado.

Este ano, destaque foi Santa Catarina, destino muito procurado e importante aliado da Masterop Operadora. A apresentação dos grupos folclóricos Alpino Germânico, Edelweiss e Alpen Bach, além da Banda Die Lustigens Musikanten arrasaram, tanto no Workshop quanto na Feijoada, interagindo com os convidados.

Claro que, pra trabalhar assim, planejaram com bastante antecedência, e estes eventos foram definidos em 2019, quando nem imaginávamos esta pandemia CVD19, e ainda não havia a recomendação de “isolamento social”. Mas todos os cuidados foram tomados, e as consequências foram muitos negócios concretizados.

Que este Coronavírus seja logo controlado e eliminado, e que o Turismo siga gerando qualificação, emprego e renda pra muita gente.

Quer ver a primeira postagem? Clica aqui . 

Postado por Felipe Camelo


Felipe Camelo por Felipe Camelo

Felipe Camelo é jornalista formado no Rio de Janeiro. Em Alagoas, passou pelas principais redações de jornais e portais .Tem em sua história profissional a cobertura de vários eventos importantes festivos e culturais em Maceió e outras cidades. É um apaixonado por fotografia. Para Felipe, “fotografar significa congelar o tempo”.

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]