Dólar com. 5,131
IBovespa 0,89
05 de junho de 2020
min. 24º máx. 28º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel MP recomenda reelaboração de calendário para que ano letivo em Alagoas não seja prejudicado
12/12/2016 às 12h12

Blogs

Os primórdios da propaganda na televisão brasileira

Reprodução

A propaganda é uma atividade humana que já existe desde a Grécia antiga. O termo se originou (acredite se quiser!) de “Sacra congregatio christiano nomini propaganda” (Sagrada Congregação Católica Romana para a Propagação da Fé), o departamento da Igreja Católica para divulgação do Catolicismo em vários países, com os missionários.

As primeiras técnicas de propaganda foram criadas no início do século XX, pelo jornalista Walter Lippman e pelo psicólogo Edward Bernays (sobrinho de Freud).

A propaganda é uma ferramenta de persuasão muito forte, influenciando extremamente a opinião das pessoas, sendo também muito usada durante guerras. Na Primeira Guerra Mundial, por exemplo, Lippman e Bernays foram contratados pelo presidente dos Estados Unidos para influenciar a opinião pública a favor do país. Bernays utilizava termos como “mente coletiva” e “consenso fabricado”.

Com o desenvolvimento da tecnologia, surgiram os primeiros aparelhos de televisão e, com eles, as propagandas voltadas aos telespectadores, os comerciais de TV.

A primeira emissora brasileira, a TV Tupi, foi inaugurada em 1950, na cidade de São Paulo, tendo sido idealizada por Assis Chateaubriant. Vale lembrar que, no mesmo ano, os EUA já implantavam a tecnlogia de televisões em cores.

Por se tratar de uma área nova, sentia-se muita falta de profissionais experientes. As agências McCann Erikson e J.W. Thompson criaram o “know-how”, a fim de criar, redirigir e produzir programas e comerciais. Nessa época,surgiram as “garotas demonstradoras”, ou “garotas propaganda”, que anunciavam produtos.

Em 1951, fundou-se, também em São Paulo, a primeira Escola Superior de Propaganda, visto que a área começava a prosperar.
A empresa também estava evoluindo muito, principalmente indústrias automobilísticas e de eletrodomésticos, com marcas como Volkswagen, Ford, Jeep, Chevrolet, GE e Walita, que necessitavam de pessoas criativas para valorizar sua empresa e seu marketing, e vencer a forte concorrência.

A propaganda na televisão brasileira iniciou-se em 1951, com comerciais de 30 segundos custando 120 cruzeiros, sendo que os primeiros a serem veiculados foram os da Casa Clô e das Persianas Columbia.
Vale lembrar que, nessa época, o Brasil ainda não produzia aparelhos de TV, o que tornava-os acessíveis somente a pessoas com alto poder aquisitivo.


Chateaubriand era um homem determinado e de muita visão.Começou a vender espaço publicitário de televisão para empresas grandes, como Sul América Seguros, Antarctica e Moinho Santista. Também foi o criador do primeiro departamento de propaganda de um jornal no Brasil, e conduziu a campanha para a construção do MASP – Museu de Artes de São Paulo.

Comparando os comerciais antigo e atual, percebe-se uma diferença gritante, desde a embalagem à identidade visual.
No mais antigo, o produto era destinado a todos os públicos (“Toddy contém tudo o que os homens, mulheres e crianças necessitam para ter novas forças”), e não apenas aos jovens e crianças, como se vê hoje em dia. Faz-se, também, uma relação do jovem a esportes radicais, a fim de vender a idéia de um produto saudável e que dá energia para quem o ingere.
Os comerciais de hoje contam com muito maior poder de persuasão, e com identidades visuais muito mais marcantes.









Era uma vez ... na TV por Redação

Histórias e curiosidades sobre o passado da TV brasileira

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]