Dólar com. 5,347
IBovespa 2,05
09 de julho de 2020
min. 22º máx. 27º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Presidente do STJ concede prisão domiciliar a Fabrício Queiroz
11/09/2011 às 03h09

Blogs

A volta dos 'Catecismos'

Revistinhas eróticas de Carlos Zéfiro são reeditadas no formato original e cultuado

 
Um poderoso estimulante da libido – em especial, a masculina – está de volta. A partir do sábado 12, os antológicos catecismos de Carlos Zéfiro serão relançados, com periodicidade quinzenal, ao custo de R$ 12. 
 
A primeira revistinha será O viúvo alegre. Todas manterão o formato original: de papel ofício, 32 páginas, impressão em preto-e-branco. E terão, claro, muita sacanagem – com a licença dos leitores, não se pode ser fiel a Carlos Zéfiro usando palavras dissimuladas. 
 
A iniciativa inaugura a editora A Cena Muda, mesmo nome da banca carioca de revistas antigas, de Adda Di Guimarães. “Decidi reeditar porque fiquei impressionada com a rapidez com que se esgotaram os 500 catecismos que consegui garimpar”, conta Adda. Ela negociou com os filhos do desenhista o direito de republicar os 862 títulos da obra. O problema é que ninguém tem a coleção completa. “Estou correndo atrás de novo, mas já tenho um bom acervo”, diz.
 
Alcides Aguiar Caminha (1921-1992) era o nome do carioca que se escondia sob o pseudônimo de Zéfiro para publicar as revistinhas que fizeram a alegria dos adolescentes das décadas de 1950 e 1960.
 
Somente um ano antes de sua morte é que foi revelada sua verdadeira identidade. Numa entrevista, ele disse que se escondia devido à Lei Federal nº 7.967, já extinta, que regia o funcionalismo público. “Eu perderia o emprego se me envolvesse em escândalos. Fazia este trabalho clandestinamente”, disse ele.
 
O pacato funcionário do Departamento Nacional de Imigração, no Ministério do Trabalho, era também o autor das picantes histórias em quadrinhos com close em atos sexuais. “Na obra dele podia tudo: irmão com irmã, padre com beata, homossexuais. Acho que o que mais atrai é a simplicidade e a falta de preconceito. Era transgressorna época e continua sendo”, diz Adda.
 
 
 
*Texto estraído daqui


Cultura Inúltil por Redação

O inusitado, o diferente, o incrível, você encontra aqui, no Cultura Inútil: o blog que revela o sentido de coisas sem o menor sentido.


Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]